Portal do Investimento

Bem-vindo, Investidor

Complete seu cadastro e
acesse ferramentas exclusivas

O poder do longo prazo em meio a crise

por Victor Veloso

Incerteza global, pandemia e pânico. Esse é o cenário da economia atualmente. O que, no início, era otimismo e glória, agora se tornou o pior pesadelo de muitos. De fato, a expectativa era muito positiva com a bolsa no início de 2020 e talvez você tenha começado a investir na renda variável este ano. Para a sua surpresa, talvez seu patrimônio tenha começado a cair muito e você tenha até perdido um valor considerável de seu dinheiro. Se esse for o seu caso, tenho uma excelente notícia: nada supera o acúmulo de patrimônio no longo prazo na bolsa de valores, mesmo se você tiver comprado no topo. Ao longo de 30 anos, a probabilidade é de que seu capital cresça muito apesar das crises.

Antes de aprofundar esse tópico, é necessário entender o contexto atual e a perspectiva em relação ao Coronavírus. Fazendo uma análise apenas econômica, podemos perceber que o grande problema do Covid-19 está na geração de maior imprevisibilidade no resultado das empresas, nas economias globais no curto e médio prazo. Esse problema vem principalmente por conta das quarentenas que estão acontecendo no mundo todo e pelo fato de que ninguém sabe quando essa situação terá um fim. As empresas mais alavancadas, com menos caixa e que precisam honrar com os compromissos de forma rápida são as mais afetadas. Além disso, questiona-se se essas empresas poderão pôr em risco também o mercado de crédito do setor bancário.

Como tudo está muito obscuro e ainda não tivemos nenhum sinal concreto de normalização das atividades, o mercado acaba precificando isso em suas ações. Essa incerteza sobre o que vai acontecer acaba implicando maior volatilidade na cotação, ocorrendo quedas muito elevadas no curto prazo, como essas que tivemos agora no mês de março. Lembre-se que a volatilidade faz parte do jogo, principalmente em meio a uma crise e em que o alvo tem sempre que ser no longo prazo.

Como suportar a dor da perda e sair vitorioso

1 – Não tomar decisões cardíacas. Escolhas motivadas pela emoção em geral são ruins, ocasionando prejuízos financeiros maiores. Isso levará o investidor a comprar sempre na alta e vender sempre na baixa devido ao "efeito manada". Ele se forma quando o investidor segue o que a maioria está fazendo, sem raciocinar direito.

2 – Diversificar ao máximo seus investimentos para reduzir o risco, ou seja, pulverizar seus investimentos entre ações, fundos de investimentos e fundos imobiliários, de forma que, se um ativo performar muito mal, isso não irá lhe prejudicar tanto. É muito importante saber que as ações oscilam mais e é esperado um retorno maior no longo prazo, pois eles apresentam um risco maior. Em contrapartida, os fundos imobiliários oscilam menos, mas possuem renda recorrente todo mês e são isentos de imposto de renda. Além disso, é fundamental ter uma parte de seus investimentos em renda fixa para reserva de emergências, pois isso lhe trará mais segurança.

3 – Os juros compostos somados ao tempo superam qualquer crise quando se trata de renda variável. Daqui a 20 anos, muito provavelmente, as oscilações fortes de hoje serão apenas um pequeno risco no gráfico de cotações. Para provar isso, a seguir, encontra-se um gráfico comparando os retornos de diferentes ativos nos EUA desde 1802, incluindo dólar, ouro, os Bonds (renda fixa dos EUA) e as ações (Stocks). É bem nítido que ações no longuíssimo prazo têm apenas uma direção: para cima. Assim, elas têm esse comportamento de tendência de alta há mais de 200 anos, mesmo com as piores crises.

Se analisarmos o gráfico do nosso índice Ibovespa dos últimos 30 anos, podemos perceber um comportamento semelhante: mesmo com crises fortes, a tendência das ações é sempre de alta, tendo um retorno de mais de 4.500% até o momento atual.

4 – Ter resiliência e aportar constantemente em empresas com dívida controlada, que possuam um bom caixa para aguentar os tempos de recessão como o de agora. Lembre-se que o jogo é de acúmulo de patrimônio em bons investimentos para conseguir a renda passiva no futuro e isso só será possível com empresas sólidas. Ativos com esse perfil, com certeza, vão lhe deixar dormir tranquilo.

5 – Não aportar tudo de uma vez, mas, sim, ir alocando seu capital pouco a pouco em renda variável. Não sabemos onde será o fundo da bolsa, mas um estudo da XP Investimentos nos mostra que o retorno com essa estratégia é maior. O estudo foi feito apenas com a parcela de renda variável da carteira de um investidor qualquer e foi utilizado o cenário da crise de 2008 como panorama. Foi feita também uma comparação entre dois investidores hipotéticos, que decidem comprar ações após 20% de queda:

  • Investidor A: resolve aproveitar a oportunidade e alocar 100% do que deseja em renda variável naquele momento para “aproveitar a oportunidade”.
  • Investidor B: monta sua posição aos poucos, dividindo em compras mensais iguais por 6 meses até atingir os mesmos 100%.

Pelos gráficos, é fácil perceber que os aportes feitos de forma gradual e todo mês trouxeram uma rentabilidade maior, mesmo investindo no meio da turbulência. Lembrando que, em 2008, a bolsa chegou a ter uma queda de mais de 50%. O resultado foi que, em 1 ano, o investidor conseguiu ter retornos expressivos.

Além disso, pode-se afirmar que o melhor caminho para enriquecer é a renda variável com foco no longo prazo. Os juros compostos somados ao tempo são mais fortes do que qualquer outro fator externo. Alinhando isso com bons ativos em uma carteira diversificada, com aportes constantes, pode enriquecê-lo de forma mais tranquila. Quer entender como comprar ações, fundos imobiliários e como participar de uma carteira de ações? Basta clicar no link abaixo e abrir uma conta gratuita na assessoria do Portal do Investimento. Nossa equipe vai ajudá-lo no passo a passo para a construção do seu portfólio e facilitar a sua independência financeira.

Cadastro XP Investimentos

Encontre as melhores maneiras de conquistar seus objetivos de investimentos.

Victor Veloso

Victor Veloso

Victor Veloso é sócio do Portal do Investimento e atua no núcleo de renda variável e mesa de operações.